Lisa Ster Coy

Poesia e algo mais...

Embriagado de sangue

Sentada sob os galhos d'uma árvore

Tento sentir o cheiro da brisa

Que faz meus cabelos voarem

E faz as folhas estremecerem

Quebrando o doce silêncio que me rodeia.

 

Goladas de litros cor de rubi rasgam minha garganta.

A gota que de minhas veias saiu

A elas voltará,

Próprias que pulsam a cada soluço que dou.

 

A taça que cai quebrando a verde paisagem,

Vidro estilhaçado fere meus pés,

Estico-me no chão observando as estrelas

Que parecem triplicar-se.

Nem mais um neurônio funciona logicamente.

Tento lamber o sangue de minhas feridas

E raciocinar à beira da loucura.

 

Por Lisa Stér Cöy. 

 

(Parte do livro "Sonhos, Amores e Ilusões...")

 

 <Poesia anterior               Voltar para índice               Próxima poesia>

Faça parte de nossa rede. Para se cadastrar clique em Register, você poderá ter seu perfil pessoal para postar comentários, receber atualizações e novidades do site.